Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ó da guarda, peixe frito!

Vai com arrozinho de tomate?

Ó da guarda, peixe frito!

Vai com arrozinho de tomate?

Mais cedo ou mais tarde... vais acabar por roer com eles na mesma.

   Penso que todos nós, padecemos desta situação, frente a algo que gostamos muito.

Falo da mania de aquando estou a colocar os cereais com pedaços de chocolate ou de amêndoa e nozes, na bela da tigela, e vou dando uns jeitinhos de surra ao frasco, meticulasamente estudados, com a perícia de um porquinho a chafurdar na lama, para cairem mais pedacinhos de chocolate do que o cereal normal. Resulta que é um mimo. Olho para a tigela com chocolate salpicado com cereais e os olhos até brilham (coro de vozes celestiais). A questão está, que a mistura que vai ficando de sobra no frasco é cada vez mais mistura de cereais com cereais... E o dia em que vou ter de comer cereais mais cereais, há-de chegar. E quando esse dia chega, é verem o meu ar irresignado, qual criança a ser obrigada a comer ervilhas, que andou meticulosamente a separar para não comer, quando a refeição é jardineira de carne.

A verdade é que devia aprender. Prometo solenemente que não irei fazer o mesmo da próxima vez. Mas não... na próxima revoada, all again.

Vou arder no inferno, com cereais a perseguirem-me :P

Um post solene, para variar.

   No meio deste mundo de tristezas, desgraças, fome, fuínhas capitalistas, de escravos que trabalham explorados para garantirem o seu sustento e dos seus, mundo cinzento, quase sem alma, sem cor (excluíndo quem trabalha com tintas ou que faz provas de cor de trabalhos), ainda há uma coisa ou outra, tão simples, que me faz lembrar momentos de felicidade, inocência e simplicidade, que faz sentir que ainda existe um pouco de magia escondida por aí, com algo tão singelo como... bolas de sabão.

   Sim, é verdade. Leram bem. Bolas de sabão. Adorooooo adoroooo adoro.

   Há quem goste de ler (eu também), pintar e desenhar (eu também), meditar (eu também), ver o mar (eu também), passear na floresta (eu também), ver o por e o nascer do sol (eu também, embora seja mais fã do por do sol, que levantar cedo e ver o nascer, tá quieto ó carapau), ver as estrelas (eu também -  Fosga-se... Também não posso ver nada que gosto também :P), comer sushi (sim... para mim é zen comer sushi, sim?), nada bate o fazer bolas de sabão e vê-las voar, levadas pelo vento, até ao infinito e mais além (se calhar uns centímetroszitos que as tipas rebentam logo). Que mágico.

   Mágico mágico, é fazê-lo com crianças ao pé de nós. É vermos o "zen" a fugir como se não houvesse amanhã, com os petizes a estourarem as bolhinhas todas e connosco a ficarmos brancos, sem ar nos pulmões, de tanto soprar.

   Ainda assim, é mágico.

   Mesmo quando alguém grita: façam isso na rua, que me vão manchar o chão que acabei de encerar!!

   Boas memórias :P

   

   P.S.: Este post é a prova, de que ando a abusar nos minuins com wasabi. Se me virem na próxima reunião de Minuins Wasabianos Anónimos, não fiquem espantados.

   E achavam mesmo que ia ser um post solene? eheheh Eu também :P

Esperem sempre o inesperado.

   É bem sabido que eu adoro petizes. Quer seja pela sua vivacidade e inocência, quer seja pela sua capacidade de nos fazer sentir necessidade de escavar um buraco e nos enfiarmos lá dentro ou de simplesmente desejarmos o dom de nos esfumarmos naquele preciso momento, sem deixarmos rasto.

  E às vezes proporcionam-nos determinados momentos, os quais nem sabemos bem como reagir... nem o que dizer:

  Diz uma criatura tenrinha, nos seus dois anos e não-sei-quantos meses, para a sua família:

  - Mano, tu tens pilinha e eu pipi.

  - Sim... eu tenho pilinha e tu pipi.

  - Paiiiiii, tu tens pilinha e eu pipi - vira-se para a mãe - Mamã, tu tens pipi e eu tenho pipi. Mamãããã... compras-me uma pilinha??

   - ...

Até me podem dar cebolas que me vai saber a maçã!

É pá, raios partam mais à criatura das trevas, que congeminou na sua ervilha que habita o interior do crânio, o catano do snack de amendoins cobertos por wasabi...! Posso afirmar com toda a clareza que, apesar de por vezes sentir uma onda picante fantasmagórica a subir a nuca, me virem lágrimas aos olhos de tal maneira que quase choro o oceano Atlântico ou o wasabi me picar desalmadamente a língua - fazendo com que as minhas papilas gustativas tenham tendências suicidas ou ataques de pânico - eu adoroooo, amoooo roer estes malditos snacks vindos do 5° dos infernos. Posso nunca mais vir a saborear a vida com a mesma clareza, mas vale a pena.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Douradinhos frios

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D