Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ó da guarda, peixe frito!

Vai com arrozinho de tomate?

Nomes que nunca se deve dar a uma criança...

07.02.14, Peixe Frito

  ... na minha modesta opinião, naturalmente.

  É que há coisas que a mente não perdoa. E uma delas é ouvir dizer que alguém se chama "Gina" e não conseguir evitar em associar logo à famosa revista, que o público masculino tanto apreciava.

  Um conselho, para alguém que acha que este nome é fofinho e o ideal para a sua criança:

  - Façam um questionário na rua, à geração anterior da da criança, a perguntar se alguém associa o nome a alguma coisa. Se ninguém associar, fantástico. Se alguma criatura se lembrar, façam-lhe uma espera e façam-no prometer, sob ameaça de ouvir justin bieber over and over again, que não fala mais sobre aquele assunto da associação do nome / revista a ninguém. Et voilá, problema resolvido.

   Naturalmente, restam os da velha guarda... Mas a esses faz-se um olhar a el matador, a deitar faíscas pelos globos oculares e capaz de fazer o Rambo chorar por misericórdia, e a coisa resolve-se.

 

Ao menos não se chama Gina.

07.02.14, Peixe Frito

  - Onde está a Maria?

  - A Maria? A Maria está a trabalhar...

  - Não pá! A Maria Maria...

  - Ahhhh... A Maria está na casa-de-banho.

 

   Obs.: O Pai Adamastor adora ir à casa-de-banho e ler a revista Maria... Logo por coincidência, um membro da família teve a sorte de ser abençoada com o mesmo nome da revista, e depois dá nestas coisas.

Só boas memórias.

06.02.14, Peixe Frito

   Recordar-me dos tempos em que era uma peixita piquinita, fofinha, assim angelical (cof cof) e em que o meu mano tinha a mania horrível de me aspirar os cabelos com o aspirador.

Eu mereço, certamente.

05.02.14, Peixe Frito

   Não há nada como a hora de deitar. Afofar nas mantas quentinhas com um frio de rachar, a ouvir o temporal de vento e chuva na rua.

   Antes de dormir, o ritual habitual: verificar se o despertador / telefone está programado para a hora correcta, deixá-lo à mão na mesa-de-cabeceira e ir dormir. 

   Tranquilo. Silêncio. ahhhhh Gosto tanto. Eis que, passado um pedação de tempo, o raio do telefone toca. Primeiro pensamento neste pickle:

   «O despertador já está a tocar?! Fosga-se-te (sim não existe, mas eu digo esta palavra), não me digam que passei outra noite em branco e nem notei...»

   Pronto, lá pego no telefone a mau modo de quem queria era estar a dormir e tinha de se levantar para ir trabalhar, ensonada diga-se de passagem, para desligar o dito despertador e verifico que afinal me estavam era a telefonar e não era o despertador.

    Resumindo e moral da história:

    - Tenho de mudar o toque do telefone, para não ser tão similar ao do despertador, para estas coisas não acontecerem. É que não há nada pior que estarmos afofados nas mantas, a sonhar com o Jensen Ackles e acordarmos a pensar que era o despertador e afinal era apenas uma criatura que nos estava a telefonar a horas indecentes.

    Deviam de inventar um aparelho (ou aplicação, que agora está na moda dizer "ah e tal eu tenho uma aplicação que coze batatas e também cose os buracos das meias e coiso") que, a determinada hora da noite, quando alguém tivesse a inteligência de telefonar a alguém, lhe dissesse:

    - Oiça lá pá, acho bem que esteja a morrer ou que seja o fim do mundo em cuecas, para estar a telefonar a esta alminha que está no seu sono de beleza, a estas horas indecentes, sua criatura das trevas.

    Ou que simplesmente lhes transmitisse um choque, através do telefone, só para abrirem a pestana e deixarem de ser tótós de terem ideias ronhonhócas de telefonar a uma pessoa à noite.

      Agora é assim, se for para me dizerem que ganhei o euromilhões, telefonem à hora que quiserem, que eu nesse caso ponho em prática o meu sono de beleza numa ilha tropical, sem grandes problemas.