Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ó da guarda, peixe frito!

Vai com arrozinho de tomate?

30.05.18

Fandangos da minha vida.

frito e escorrido por Peixe Frito

- Estou? Olá, então você ligou-me?

- Sim, liguei porque tinha uma chamada sua.

- Ah mas eu liguei porque você me tinha "chamado" e eu não atendi.

- Pois, mas eu liguei porque tinha uma chamada sua.

- Exacto! Porque a menina me ligou!

- Siiiim... - risos - Vou explicar: Tinha uma chamada sua! Liguei... o senhor não atendeu. Entretanto ligou-me e eu não atendi. Agora estou a responder às suas duas chamadas. E agora diz que me ligou porque eu liguei?

- Ah pronto... foi engano meu de certeza!!

 

E é assim que andamos nisto, várias vezes ao dia.

28.05.18

É que não é altamente gráfico nem nada!

frito e escorrido por Peixe Frito

- Então, como vai o Jony*?

- O Jony come muito. Muito muito. No outro dia fez assiiiiim um cocó alto - gesto a esticar o braço e mãozinha acima da cabeça para demonstrar o quão alto era a poia - tão alto, sabes, assim como uma árvore do Pai Natal em cocó. Uma árvore do Pai Natal de cocó!! (ria imenso a dizer isto).

E ali fiquei eu a imaginar como seria de facto se fosse verdade o que a rabinho pequeno me estava a relatar, como o rabo paranormal que aquele animal deveria de ter, arraçado de buraco negro só pode, que até conseguia largar árvores de natal pelo buraco traseiro. Ou um autêntico artista, escultor de cocós em forma de árvore. Uma imagem digna de ficar presa no nosso pensamento. 

Valha a imaginação na cabeça daquela criatura pequena.

E tudo começou com uma pergunta tão normal como qualquer outra. Nunca se sabe o rumo que uma simples conversa entre dois seres, pode tomar.

 

*animal de estimação da rabinho pequeno, um piriquito novinho e tenrinho que nem ela.

27.05.18

Não há-de uma pessoa estar a ficar velha!

frito e escorrido por Peixe Frito

20552218_zYkQQ.jpeg

 Uma pessoa às vezes até fica meio tótó (ou no meu caso, mais ainda) quando se apercebe e realiza como o tempo de facto passa sem darmos conta.

Faz hoje dez anos que decidi oficialmente publicar o primeiro post aqui na fritadeira, coisa que até foi engraçada, só eu sei o quanto me senti com nervoso miudinho e uma ligeira excitação por o ter feito, após ter ponderado durante uns dias, se iria criar um blog ou não. Dez anos que criei aqui a minha amada fritadeira, que mesmo com alturas em que estive mais ausente, jamais tive a coragem de fechar a porta. Dez anos que ando a debitar pensamento e devaneios na blogosfera. Posso dizer que estes têm amadurecido e sendo mais polidos ao longo do tempo (parece mentira, não é?) pois claro, até por mim o tempo passou e por mais incrível que pareça, me maturou como à fruta.

Dez anos, e ainda por aqui ando. Mais tempo de vida do que de muitas criaturas de duas pernitas que por aí andam.

Agradeço profundamente a todos os leitores frequentes, a quem de facto teve a coragem de subscrever o blog e a quem não têm vergonha de admitir que cá vem ler e fuçar, deixando os seus comentários, que by the way, é coisa que adoro, ler os vossos comentários às minhas patetices e sorrir sempre ao vos responder.

Devo dizer que adoro escrever, seja sobre o que for. E que o facto de eu escrever parvalheiras e tonterias aqui pela fritadeira, é somente porque adoro espalhar o meu terror por todos os lados e terrenos, espalhando a minha essência parvalhal por todos os lares, numa tentativa de partilhar convosco a minha descontracção geral pela vida, falando das coisas que me acontecem e dando importância às pequenas coisas tontas da vida, na esperança que vos façam rir ou no mínimo soltar um sorriso amarelo, vos animando o dia - a esperança é a última a morrer, lá dizia o outro.

Apesar de ter sido roubado algures pela internet, estejam à vontade para tirarem uma fatia do bolo virtual e festejar comigo o décimo aniversário aqui da minha menina fritadeira - não têm calorias, é vegan, gluten free, paleo e mais o catano, por isso podem enfardar à vontade.

Muito agradecida a todos!!

25.05.18

Só visto, que contado ninguém acredita.

frito e escorrido por Peixe Frito

- Olha, este frasco de picante está esquecido aqui no armário! Será que ainda está bom? - pergunta a mãe Peixa

- Ainda deve estar. O picante não se costuma estragar - responde o resto do povo, pensativo.

Vai a mãe Peixa, mergulha o dedo mindinho e... prova! - audiência em choque antes da risota de troça geral, vendo o ar de aflição da mãe, mudando de cor sei lá quantas vezes (ficámos a conhecer novas nuances e espectros de cor), emborcando leite como se o leite fosse a maior descoberta e delícia do momento - Ia ficando sem mãe, tal era a potência do animalesco picante. Dá-me ideia que se o pai Adamastor patenteasse o seu picante, era o maior desencardidor de sujidade e arrancador de tacos, tijoleira e azulejo, com apenas uma pinga do produto em cima: Pinguinha e pof! saltou a criatura, sem "mas" nem "quês". 

- Está aí uma coisa esperta! - diz o pai Adamastor - Então vais meter o dedo lá dentro e provas?? Cabecinha de alho!!

Ah pois é... não fazes outra!! - tão cedo.

24.05.18

E pronto, assim se mata o romantismo todo da cena!

frito e escorrido por Peixe Frito

petrichor.jpg

Ora eu adoro sol. Tal como adoro a chuva. Nestes dias têm-me sabido a "pato" sem penas, o solinho que têm estado: tira a humidade das roupas, da casa e mais importante ainda, a humidade da minha alma e do meu cérebro - que facilmente entra em curto circuito após o período de recolha, que é o Inverno.

Hoje chove. Não como se não houvesse amanhã mas está certinha, direitinha, sem vento (como a malta gosta) e constante. Assim como se chovesse pingos de chuva com pantufinhas calçadas, acabadinhas de sair da cama. Maravilhosa. Amo sair de casa, depois de dias quentes ou de sol constante, nesta altura do ano ou no meio do Verão, e se dar assim um dia de chuva, como se a fazer uma pausa. Uma pessoa pode vestir trapos de meia estação e mesmo assim, não ter frio.

Isto tudo para dizer, que sair de manhã de casa e sentir o cheiro a erva seca húmida pela chuva, a terra molhada, me aquece o coração. Dizem que a curiosidade matou o gato, neste caso, a Peixa é que ia coiso... Fui pesquisar o que é que origina o cheiro da chuva depois de chover. Mais valia ter ficado quieta. Fiquei com a mesma sensação depois de saber porque é que cheira a cloro intensamente nas piscinas: Então não é que o que origina o cheiro da chuva depois desta cair, que arrebata corações, nos faz apetecer agarrar no guarda-chuva dançando com os postes de electricidade na rua como se estivessemos a dançar a coreografia do Dirty Dancing, aquece as almas, quase causa pedidos de casamento tal o "baque" de romantismo que o aroma provoca - que pelos vistos pode causar danos nas células dos nossos pulmões dado o ozono "puro" e que por sua vez já explica a sensação de cozy do cheiro a terra húmida aka uma grandessíssima broa - é responsabilidade de umas excreções químicas de uma bactéria? ver aqui - Só o facto de haver a palavra "excreções" associada, já me assusta.

Ó senhores, com esta é que me quilharam. Já nem sequer o cheiro da chuva têm direito a ter um pouco de magia. Só falta me dizerem que não há unicórnios e que o Pai Natal meteu os papéis para a reforma.

Estou mesmo a imaginar, eu a dizer à minha cara metade: "Meu amor, vamos ali sentir o cheiro agradável das excreções químicas da bactéria streptomyces, após a chuva cair". Que romântico! - se eu sequer conseguir expelir esse palavreado todo, mas okay.

23.05.18

E foi desta que me deu o fanico.

frito e escorrido por Peixe Frito

 

try_not_to_cry__t_rex_version__by_themeekwarrior-d 

Pois é... algum dia iria acontecer. Após ingestão como se não houvesse amanhã de amendoins cobertos com wasabi, é oficial que comer disso ou uma maçã doce, sabe ao mesmo. Fiquei imune ao picante!! 

E agora? A minha vida não vai ter a mesma emoção. Meh... Amuei.

22.05.18

Vai parecer que tudo está a renascer dos mortos!

frito e escorrido por Peixe Frito

transferir.jpg

Imagem roubada daqui:

https://lifestyle.sapo.pt/sabores/dicas/fotos/dicas-para-criar-uma-horta-caseira-a-partir-dos-caules-dos-vegetais

 

Uma coisa é verdade: ao tempo que eu ando a ver se ponho em prática o cultivo de uma horta caseira, a partir dos restos dos alimentos. Dá alguma trabalheira, como andar a catar frascos e arranjar espaço para por as carcaças moribundas dos vegetais a apanharem sol, na esperança que estes voltem a brotar. Com tanto legume que se pode re-aproveitar para por novamente a germinar, a minha casa vai começar a parecer um cemitério de mortos vivos ou um hospital com feridos de guerra: uma alface sem cabeça, um aipo sem talos, uma cebola descascada, uma cenoura sem... sem... ponta!, uma batata doce que mais parece um Gremlin a germinar...! Uma imagem linda de se ver. Então logo pela manhã, quando lhe bate o sol, imagino o ar macabro daqueles semi defuntos com os brotos a crescerem - na verdade zombies dado que estão a brotar do próprio cadáver semi decomposto.

Vamos estar a cuidar de seres moribundos que depois, de tanto amor, dedicação, a renascerem belos e amarelos (*música angelical*), viçosos e cheios de vida no seu esplendor, com a esperança a espreitar no horizonte e "Záááásss" têm um encontro de terceiro grau com a tesoura ou a faca, afinal o que viam no horizonte não era a esperança de um novo dia mas sim a Peixa de arma em punho para lhes aparar as franjas, e lá vai começar tudo de novo.

Não é um pouco a roçar a crueldade para com estes seres, os termos ali em frasquinhos a germinar, mal começando a dar ares de nova vida, nós, impiedosos, vamos lá logo dar uma razia ao bichedo? Quase fica a parecer como criar os franguinhos, engordar, com ração da boa e nutritiva, carinho e atenção, para depois os encaminhar para uma panela...?

Se daqui a uns tempos deixar de postar, já sabem que me aconteceu: fui apanhada pelas sobras dos meus vegetais, que me fizeram uma espera e me colocaram a mim a vegetar. É que não se deixem enganar pelo ar fofinho dos restos dos vegetais... eles sabem que foram vocês que os comeram. Tenham isso presente em mente (*música dos x-files*) e suspeitem se durante a noite ouvirem rastejar pela casa: Não é a Samara mas algo tão mau ou pior, que se vêm vingar das dentadinhas que lhes deram nas miudezas.

22.05.18

Criança sofre.

frito e escorrido por Peixe Frito

18c632c02044c0a63ef9db2f196926f2.jpg

Este pai está-se a perder, com uma carreira de cabeleireiro com todo o sucesso possível e imaginário, sem partilhar o seu dom criativo com o resto das cabeças alheias de todo o mundo. Haveria de sair cada penteado, de bradar aos céus. Tanto talento desperdiçado. Até dá dó - além de que iria estar a ajudar o ambiente e a diminuir a pegada ecológica, ao pentear e reutilizar materiais. Só, mas só vantagens.

Só a cara de orgulho da menina. Transborda ansiedade para andar na rua assim. Louvada seja a criatividade. 

21.05.18

Ainda bem que não nasci abelha, senão era o cabo dos trabalhos.

frito e escorrido por Peixe Frito

tumblr_static_tumblr_static_5iirp55njgw8gkw4wo4k4c

Sentir o cheirinho a flores na rua - pólen no ar a flutuar alegremente - principalmente da acácia mimosa. Pena pena, é ser alérgica a esse ser e ficar com crises de alergia de me benzer, com cada espirro que quase ponho os pulmões a apanharem ar cá fora, pelo nariz. A Primavera, o solinho, os passarecos, enchem o coração... a par com a minha rinite que me enche os olhos de lágrimas e ramelas e os bolsos de lenços ranhosos, tal é a emoção do meu contacto com a Natureza.

Tão mágico  Já sentia falta de acordar com os olhos ramelosos 

Ranhocas à parte e lenços húmidos por todo o lado, adoro a Primavera. Mesmo quando tenho de fazer rolinhos de papel e meter um em cada narina, para a ranhoca não fugir desgovernada sem avisar.

21.05.18

Cá para mim, foi este que engoliu o relógio e não o crocodilo do Capitão Gancho.

frito e escorrido por Peixe Frito

Acaso do destino, me fez ouvir um pardalito a chilrear na árvore mais próxima e olhar para o relógio. Como em tantas outras vezes, me pareceu ver mal as horas e voltei a focar o relógio, com a banda sonora pardalesca de fundo. Então não é que o raio do pardal piava exactamente ao ritmo do ponteiro dos segundos? 1s piu, 2s piu, 3s piu com uma sincronia perfeita. Eu ali a torcer pelo animal "só mais uma, só mais umaaaa" tal e qual numa competição de quem bebe mais uma bejeca. Ao fim de uns 20 segundos lá o passarito deve ter perdido o fôlego e descompassou a situação.

fba4bf2827c0e4c54181129a99ec6858.jpg 

Destrezas e talentos únicos à parte, se há coisa que eu adoro nos pardalecos são os seus saltitos e mais ainda, quando andam enchouriçados por causa do tempo frio. Umas autênticas bolinhas de penas.

E eu que lhes adoro piar, tal e qual os pardalecos piquenitos e há sempre um ou outro que fica ali infinitamente a responder-me. Vou arder no inferno por me andar a meter com os pardalitos, assim à descarada.

18.05.18

Nem um metaleiro faz headbanging com tanto fervor.

frito e escorrido por Peixe Frito

photo-of-sparrow-taken-at-the-right-moment.jpg

A aquecer as turbinas. "Estimados passageiros, apertem os cintos que vamos levantar vôo dentro de momentos".

Se eu abanasse a carapinha a esta velocidade, no fim ficava sem a piruca e sem réstia de cabelitos na cabeça, sem mencionar que o tico e o teco ficavam em papa com a centrifugação.

18.05.18

Se pudesse, era assim que estava.

frito e escorrido por Peixe Frito

animal-world-3285361_960_720.jpg

Saudades da praia, de estar com as miudezas de molho e a partilhar o meu bronze de carneiro da fruta.

18.05.18

Com comités de boas vindas destes... "Jasus"!

frito e escorrido por Peixe Frito

Não há nada como chegar a uma casa e ser recebido por um aroma natural, tudo menos agradável e prazeiroso ao nariz: um intenso cheiro a chulé.

- Fosga-se mãe, que tufo a chulé!

- Ah... Isso é ali o teu pai...

Dito isto, espreito pelo arco da entrada e vejo o pai Adamastor, refastelado no sofá, pézinho ao léu, descontraídissimo a ver tv. Reparando que eu estava a olhar para ele, diz-me:

- Eu?? Isso é mazé aquele queijo da ilha que está aí na cozinha, que cheira mesmo mesmo mal!! Sou agora eu - diz-me com ar indignado e meio que ofendido.

- Ah está bem pai... é o queijo. É o cheiro do queijo... mas dos pés!! - digo eu a desafiar o meu bem estar corporal, habilitando-me a ficar uma espécie extinta.

Desprezo total. Até parecia que a conversa nem era com ele.

 

Uma coisa vos digo, eu sei que é normal os tufos corporais agravarem com o calor mas este em específico, quase podia ter sido catalogado como arma química, tal era o nível de nefasto e toxicidade. Sou abençoada por ter sobrevivido e admiro a capacidade de sobrevivência da mãe Peixa. Se calhar, ao fim destes anos todos, já está é calejada e quase lhe cheira a rosas - quem me dera. Muito ainda tenho eu que percorrer e papinha comer até lá chegar. Nos entretantos, fico com vontade extrema de arrancar o nariz ou que me dê uma constipação grave, de modo às narinas entupirem e não conseguir sentir nenhum tipo de aroma.

O quanto não valem este episódios familiares, tenho dito. Ouro. São ourooooooo.

17.05.18

É que é mega sexy a barriguinha peludinha tipo tapete... not!

frito e escorrido por Peixe Frito

E quando alguém aparece num local de trabalho, com uma camisola que permite ver a parte debaixo da barriga, por a mesma ser tão grande e a camisola não se conseguir esticar mais, de modo a cobrir toda a área das miudezas da criatura?

Aqueles pelinhos ali a forrar a barriga, no seu esplendor masculino, a espreitarem debaixo da camisola curta... Digno de se ver. Digno. Principalmente antes de almoço que é para perdermos o apetite e a fome, tal a imagem e digno de furar os olhos voluntariamente, temendo voltar a ver tal índice de coisa sexy e "rawww rawww" ao vivo e a cores.

Muita violência visual de uma vez. Tenham piedade de mim, por favor.

17.05.18

Já são muitos anos a virar "frangos".

frito e escorrido por Peixe Frito

bicho de conta.jpg

Não faz parte da formatação da série do meu exemplar humano, passar por um animal de patinhas para o ar, sem se conseguir virar e eu ignorar ou até pisá-lo, passando como se não fosse nada comigo. Frequentemente, tenho paciência daqui à casa do coiso das Caldas, para estar a ajudar um bicho de conta a virar-se, que decidiu espreguiçar-se no meio das escadas. E haja paciência! Aquilo só filmando: ele abre a cuscar... e eu com um pauzinho tento virá-lo gentilmente e devagar, para ele não fechar. E quase a virar... quase... e ele fecha. Eu espero. Volta a por as anteninhas de fora a bisbilhotar e eu repito o processo. E lá estou eu, a dançar o fandango com um bicho de conta, que mais cedo me dá um fanico e estendo o pernil do que ele se vira e vai à vida dele, enquanto alguém me espera para almoçar, já tendo vontade de comer a toalha da mesa tal a esganadice de fome e me chamado todos os nomes menos Santa.

Até muitas vezes sou vista, pelos paparazzi e afins, a resgatar uma abelha de uma pocinha de água ou a pegar numa aranhita que foi catada pela mãe Peixa e que a vai cilindrar - aparece do nada a Super Peixa, de peúgo no pé e olhar matador, pegando na bicha, salvando-a das garras da vassoura ou da rasta da esfregona - colocando-a na rua, a salvo da mãe Peixa mas à mão dos pardalinhos.

Quando eu morrer, tenho uma estátua erguida e uma festa de boas vindas - principalmente, se for enterrada e não cremada. Literalmente eu é que serei o motivo do banquete.

Deus devia era de lhes ter posto uma molita no rabito, para quando se virassem, pimbas! voltavam à posição inicial. Escusavam de andar para aí a mostrar as miudezas, de patinhas no ar e pernocas ao léu e a provocar trânsito e engarrafamentos nas escadas, mas principalmente no meu caso, fome aguda a terceiros.

16.05.18

Que blasfémia!!

frito e escorrido por Peixe Frito

tumblr_static_filename_640_v2.jpg

 Alguma vez era lá eu capaz disso... Até nem gosto de uma boa pizza nem nada.

 

Obs.: Lá começa o sol a fazer das dele. Solinho = aumento de índice de parvalheira na cabeça da Peixa.

16.05.18

Isto sim, me faz temer pela minha integridade física.

frito e escorrido por Peixe Frito

A mãe Peixa com o mata moscas na mão. Não que ela alguma vez me tenha dado uma verdascada com o mata moscas mas é mesmo o perigo que ela constituí para a sociedade - antes fosse para a das moscas, mas nem por isso - com a sua aselhice. Têm a capacidade de acertar metros ao lado de onde a mosca está pousada. E de todas as vezes ela diz: "Não sei se lhe acerteiii!!" A que eu respodo: "Ela anda a voar mesmo em cima de ti." E é pegar no pacote das pipocas e assistir a aquele filme, da mosca frenética num pousa aqui, pousa ali, voar em círculos a dar um baile tremendo à minha mãe e às suas capacidades de exterminadora de moscas aladas, e a mãe Peixa, já em tentativa desesperada de acertar no animal feroz, começa a abanicar o mata moscas, tal abanico a ver se o lume pega no churrasco.

O mal no meio daquilo tudo, é que uma pessoa têm de estar a pau com aquele estandarte todo, não vá levar com uma arrefinfadela do raio do mata moscas na pinha ou levar com a mosca em si - sim... quando no meio da euforia a mãe Peixa finalmente acerta na mosca, é tipo raquetada: vai a mosca nas horas tipo bola de ténis... e quem leva com ela? Não custa muito a adivinhar.

15.05.18

E o mal é que quando começo a rir, não há forma de me pararem.

frito e escorrido por Peixe Frito

tumblr_mu43eipUYQ1sv84h6o1_500.jpg 

Não há dúvida, que passar um dia inteiro numa palestra, mói uma pessoa. A altura que me parece mais difícil é depois de termos enchido a barriguinha e nos começa a bater a vontade de uma bela de uma sorna, com a jibóia a enrolar de forma violenta e sem piedade, nos fazendo precisar de palitos nos olhos, a fim destes não se fecharem.

Assisti em primeira mão, a algumas pessoas a dormitarem numa palestra, com projectores de luz forte directos a eles e tudo. Aquilo é que foi cozer batatas. O que me caiu no goto mesmo, foi a pessoa ter passado a grande maioria da palestra de olhos fechados - devia de estar a interiorizar as palavras sábias do orador - só abrindo os olhos muiiito de vez em quando, e na altura que o orador pergunta se alguém na plateia têm dúvidas acerca daquela parte da matéria, aquela alminha, do nada, abre os olhos e quase salta da cadeira para fazer uma pergunta complicadíssima, quase questionando as origens da vida e se a Terra é redonda. Ora... o orador ficou feliz por tal pergunta complicada e, foi respondendo para toda a plateia. E o senhor? Pois... o senhor voltou ao seu estado de hibernação na cadeira, de olhos fechados. A cereja no topo do bolo - para mim que não aguentei e me desmanchei a rir desalmadamente - foi o orador terminar a resposta e dirigiu-se ao senhor com o concluir da resposta apontando-lhe o dedo e tudo "(...) e é por isto que a galinha atravessou a estrada, meu senhor!" e lá estava o homem a ferver batatas pacificamente, não ligando um rabo ao orador.

Gabo a capacidade de falta de chá dessas pessoas e do seu à vontade de dormir onde quer que seja. O que me faz concluir que o senhor adora dormir acompanhado de multidões e nem sequer está aí se vai roncar ou babar a cadeira, se não. Eu falo por mim, que não consigo assim pegar no sono despreocupadamente onde quer que seja - ás tantas ainda começava para lá a roncar e a fazer sons de dinossauros de boca aberta a mostrar a cremalheira toda.

Vida de orador é difícil... mas de público maior ainda. Só eu sei a dificuldade que tive de conter o meu riso em determinadas situações dado o comportamento da plateia, só para não desrespeitar o doutor.

11.05.18

Das duas, três: ou é assédio ou começa a ser uma nova espécie de bullying!!

frito e escorrido por Peixe Frito

Ainda estou para perceber, porque é que a maioria do spam que recebo num e-mail, é de mulheres - spam é spam. Não me admirava nada que fosse um gajo barbudo, gordo, careca, de cueca de quinze dias (meeeega estereótipo, eu sei kkk) com um e-mail com nome de gaja, a fazer a "spamaria" toda - É pá, "ser" de mulheres ainda é como coiso e tal agora serem e-mails a roçar a obscenidade e a mandar para a cueca, alguns com títulos aparentemente inocentes - mas de conteúdo carregado de corpos desnudos tal como Deus as mandou ao mundo mas com mais maquilhagem, plásticas, unhas postiças e extensões no cabelo - como "Sou uma rapariga solteira" ou "Comigo serias feliz", fico assim um bocado a pensar. 

Com tantos e-mails com nome de senhoras e com insinuações sugestivas e provocadoras, começo a sentir-me assediada pelos e-mails.

Vê-se mesmo que nem percebem que, no meu caso, é "público" errado para a cena.

 

Obs: Óbvio que sei que os e-mails de spam são enviados industrialmente, sem verem a quem os e-mails de destino pertencem.

11.05.18

Afinal não é só a galinha que atravessa a estrada!!

frito e escorrido por Peixe Frito

185b4d18da80693f532203ac2e979a7e.jpg

Ahhh gosto tanto assim de umas sequinhas, já com pinta de fim-de-semana à espreitaaaa.

Pág. 1/2

sobre a Peixe Frito

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

douradinhos frios

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D