Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ó da guarda, peixe frito!

Vai com arrozinho de tomate?

Eu e a minha piadinha inconveniente.

04.10.18, Peixe Frito

- Se o meu pai for um pato e a minha mãe uma pata, sou o quê? Um patinho!

- Não... És um panda. Ou nunca ninguém viu o Panda do Kung Fu?

kung_fu_panda_2_bath.jpg  

Depois admiro-me por não ter amigos e ir arder no inferno.

Não há nada que seja de graça.

04.10.18, Peixe Frito

 

the-castle-unicorn-garden.jpg 

Eu não sou lá muito adepta de usar perfume. Sim, é verdade. Eu, Peixa Maria Manuela com a Água Pela Canela, não uso perfume. Simplesmente uso um método muito eficaz, para estar sempre cheirosa, fresca e fofa. Sabem qual é? Tomo banho, pois está claro - que esperavam que saísse daqui. Nada de jeito e ainda mais a esta hora da manhã e véspera de feriado. O Tico e o Teco andam na loucura - Agora a sério. O aroma natural que eu tenho é mesmo do shampô, do segundo amaciador que ponho na trunfa - sim... uso dois amaciadores no cabelo, só para verem o quanto custa ter cabelo airoso como o meu - do cheiro do detergente da roupa e claro, eu tenho um aroma natural a sereia. É de mim, pronto. Lá de vez em quando me borrifo com um spray corporal de cheiro a cerejeira do Japão, sem alcóol e merdices que fazem com que as minhas escamas encarquilhem mais prematuramente.

Que isto têm de anormal até agora? Nada. Apenas o facto de que até para se pôr perfume ou colónia, é preciso ter técnica. Há quem borrife o corpo inteiro, tomando um banho de perfume literal, há quem só ponha nos pulsos e atrás das orelhas - que by the way, ouvi dizer que afasta a piolheira, por isso despejem o perfume atrás dos abanicos como se não houvesse amanhã - há quem mande para o ar formando uma nuvem em volta e atravessa-a, de braços abertos, como se estivessem num momento angelical. Eu? Eu gostava de ser assim tão graciosa. Quando borrifo perfume, sustenho a respiração para não inspirar o perfume. Sou tão sortuda, que acabo muitas vezes por degustar o perfume na mesma, porque mesmo sustendo a respiração e fechando a boca, acabo sempre por ter perfume a entrar para a boca. Não há vez em que não me dê vontade de espirrar, até fujo da nuvem de perfume, mas a mesma persegue-me e acabo sempre por a inalar profundamente. Os meus pulmões devem ser um jardim interno, cheio de flores, borboletas, árvores a florir e passarinhos a cantar. De vez em quando, deve passar um unicórnio também - Isto faz lembrar a música dos Mind da Gap - És onde quero estar. "O que é que sentes? Borboletas!!" Qual amor, qual quê... É mesmo de inalarem perfume, vão por mim. - Acreditem, que não têm nada de prazeiroso. Cerejeira do Japão, my ass, que aquilo sabe mal como a porra.

Lado positivo? Bem, o hálito fica cheiroso e perfumado. Só resta saber se na altura da poltrona, o ambiente também fica aromatizado como ambientador natural.

 

 

Olha olha...! Aqui está ela bela e amarela!

03.10.18, Peixe Frito

Sem-Título-1.jpg

 

Não é dia de piolheira - graças a Deus! - mas é dia de destaque!

Grata equipe do Sapo, pelo destaque!!

Até me esgatanhei toda.

03.10.18, Peixe Frito

Chega uma colega ao pé de mim, numa linda manhã de sol:

- Peixa, Peixa, anda cá que preciso de um favor teu!

- Então, dime.

- Chega aqui para esta zona com sol! Olha... pá ando-me aqui a coçar. Recebi uma sms da escola do meu filho que há piolhos na turma. Podes ver, se faz favor, se me vês alguma coisa na cabeça? É que desde que recebi a sms só me tenho estado a coçar!!

Olha eu né... quando ouvi aquilo tudo, com a palavra "piolhos... piolhos... piolhos..." a ressoar na minha marmita: 

14900125_QsPq7.jpeg

E lá tive eu, frente à aflição mais que visível da rapariga, a ver se a moça andava com inquilinos no meio da peruca. Felizmente, não encontrei vivalma mas foi o suficiente para eu passar o resto do dia a coçar a minha piruca e a pensar logo na piolheira.

Raios partam mais a estes bichos e o seu condão de panicar a malta toda. Tamanho não é mesmo documento, belive me.

Os elogios já não são o que eram.

02.10.18, Peixe Frito

- Então? Há algum azar?

- Não... porquê?

- É que vêm vestida de preto.

- Eu gosto de me vestir de preto, de vez em quando.

- Pois, assim tipo a Maga Patalógica!

- Er... Madame Min já me tinham chamado por causa do volume do cabelo encaracolado no inverno, agora Patalógica...

- É isso é! Hoje está vestida a Patalógica!

E pronto... Vou só ali ver se a água do caldeirão já está quente, para juntar as patas de aranha, bigodes de rato, unhas de gato e asas de morcego, para a sopa do almoço.

Alguém é servido de uma malga?

19c0b26876c69bd541c00cc00d343500.jpg

 

Pág. 3/3