Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ó da guarda, peixe frito!

Vai com arrozinho de tomate?

É o que dá ter uma mente perversa...!

24.02.12, Peixe Frito

   Como tantas mentes que por aí andam, que uma pessoa não pode dizer nada sem que essas alminhas pervertidas levem logo as nossas inocentes palavras, imaculadas e sem malícia na sua verdadeira essência - algumas das vezes devo confessar que não são assim tão imaculadas -  para outra interpretação e outras localizações geográficas corporais, nomeadamente para uma área assim mais para o "estremadura" - "ribatejo" - "interior" - "alto alentejo", a minha não é excepção à regra. Se há coisa que tento fazer, é não usar palavras que possam ser de algum modo sugestivas, se bem que é altamente difícil. Sim, que estar a discutir com alguém e usar expressões de duplo sentido ou das duas uma, ou nos engalfinhamos mesmo com a pessoa ou não somos levados a sério, porque só nos dá vontade de rir.

   Existem milhentas palavras que dão para a "sacanagem". Por norma, tento usar a palavra "embalagem" invés de usar a palavra "pacote", por exemplo.

   Dou aqui um exemplo prático e real, em como as palavras são matreiras e em como nós facilmente podemos cair numa esparrela "palavrónica":

   Está aqui a Peixa a abrir graciosamente uma embalagem de gomas - por graciosa leia-se a barafustar - puxar - abanar - suspirar - barafustar - resmungar - dizer palavras bonitas, fofinhas, pomposas e chamar carinhosamente a embalagem de "coisa linda" e de "admirávelmente fácil de abrir" - morder - olhar matador e já a roçar o "a faíscar" - e diz-me o Piolho, que me estava a observar atentamente há um bom bocado, com aquele seu ar de quem tudo sabe e que domina o pedaço:

   - Ó tia Peixa... Queres que te ensine a abrir o pacote? - vêm como já soa mal esta junção de palavras?

   Olhar matador (tipo 2) em direcção do Piolho, que pelos vistos funcionou que a embalagem abriu logo, deve ter pensado que era novamente para ela, e com um ar de "Peixa rules e domina o cenáriooooooooo", digo-lhe:

   - Ó Piolho, obrigada, mas eu já abri mais pacotes na minha vida, do que tu provavelmente irás abrir, estás a perceber? - estava distraída, que querem??

   Silêncio. Leia-se a minha legenda: «Oh god, que isto soou realmente mal!»

      A mim claro, que o Piolho, na sua ainda inocência, não se apercebeu da outra interpretação que esta mente pérfida lhe deu.

   Só espero que não puxe à tia, senão vai ser bonito vai :)

      Porém, existem outros tipos de interpretação. Não necessáriamente de palavras por si só mas na associação ilustrativa que uma simples frase pode causar:

     - Pai Adamastor, preciso que me vás pendurar o varão no meu quarto...

     Oiço uma risadinha. Sem precisar de ver de onde e que criatura emitiu a risadinha, "resmungo":

    - É para os cortinados, pá!! 

    Ui e de onde esta veio há muitas mais. Ora tomem lá mais uma ilustrativa:

     - Amiga, tens de pendurar um sardão na tua parede! - diz-me a Daisy toda contente e eufórica, a olhar para um lagartão decorativo e supé fashion que estava na parede de uma loja.

     - Ó miga, um sardão não...

     Diz logo ela: Mas porquêêêê?? É tãão giroooooooo!

    - É que "sardão" na minha terra, apelida outras coisas que não lagartões... -.-

    Havia de ser bonito, um "sardão" da minha terra, pedurado na parede da minha sala... 

   Como podem constatar, muitas vezes as palavras e situações geram duplos sentidos e outras interpretações maliciosas ou não. Uma coisa é certa, geralmente dá para uma pessoa se rir e descontrair com estas palermices.

    Eu então... Há quem me diga com frequência:

    - Pronto, essa cara diz tudo. Pá, lá está essa tua mente novamente a trabalhar! Que coisa!!

    E muitas das vezes, nem sequer estava a pensar em nada em concreto, sem ser a analisar aquilo que acabava de me ser dito.

largar posta:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.