Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ó da guarda, peixe frito!

Vai com arrozinho de tomate?

Admirei a descontracção...

09.07.19, Peixe Frito

Para refrescar a memória, relembro que trabalho numa zona semi urbana. Semi porque estou perto de muita natureza e, felizmente muitos e muitos e muitos prédios não constam nesta zona, é mais moradias e empresas. Isto tudo para dizer, que tenho vista para vivendas, para a zona mais pacata, contrária ao trânsito que passa que nem formiguinhas. Ora, nada como de vez em quando olhar pela janela, para descomprimir os zóios de tanto olhar para o pc. Fixar as nuvens. Observar as copas das árvores em movimento, suavemente embaladas pelo vento. Ver a vivenda que fica a 1 km. Observar que vêm alguém estender a roupa no corrimão do alpendre. Hum? O quê? Mas... a mulher está nua?! Yep. Eu fiquei embaraçada por estar descontraidamente a ver a senhora a pendurar a cueca no alpendre até me aperceber que ela estava como veio ao mundo. Mas é assim... Na maior. Mas na maior. Ali, a pendurar as cenices, de mamocas e patareca ao ar, como se nada se passasse.

É assim... nada contra. Embaracei-me porque parecia uma voyeur e não era essa a intenção e porque de facto, nunca esperei ver alguém aparecer nuzinho a estender roupa, precisamente para o lado de onde passa o trânsito, a meio do dia.

Pronto. Confirmou-se que aquele lado de lá é mesmo exótico. Além de pavões, existe naturalismo. Agora vou estar sempre à espera que apareça alguém desnudo, não no sentido de que quero ver desenganem-se, e não vou relaxar os zóio como deve de ser. Ainda mais, se invés de espécime fêmea, for espécime homem.

Há muito que não era surpreendida com este tipo de coisas. 

Alguém têm hábito de ir nú assim para a rua ou ir à janela?

34 comentários

largar posta na fritura

Pág. 1/2