Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ó da guarda, peixe frito!

Vai com arrozinho de tomate?

Ó da guarda, peixe frito!

Vai com arrozinho de tomate?

Desafio Arte e Inspiração | 8.ª Semana | Análise a "Ilustração de Moda" ou "Figurinos para os Alfaiates Cunha" ou que raio de Almada Negreiros.

frito e escorrido por Peixe Frito, 03.11.21

22184146_7Ikir.jpeg

"Ilustração de Moda" ou "Figurinos para os Alfaiates Cunha " ou sei lá de Almada Negreiros

Olá minhas gotinhas de chuva "molha tolos", minhas alguinhas e anémonas das poças das minhas rochas da praia da minha vida! Bem-vindos à rubrica semanal de esfrangalhanço de pintalguices de gente famosa, que esta semana calhou a uma quarta-feira, onde iremos debater, observar, analisar, fazer patchwork, tricotar um casaco e um gorro agora para o frio que se avizinha, referentemente à obra "Ilustração de Moda", descortinando todos - ou quase todos, que a minha bola de cristal está avariada - os segredos da musa inspiracional do senhor Almada Negreiros, pondo tudo a nú e cru, aquando se-lhe acendeu a luz de aviso - não para abastecer, mas até podia ser, se o homem ficou com alguma fomita e o rato a roer nos entretantos - lhe indicando que raio ele ia rabiscar na tela. Vamos lá a arregaçar as mangas e pôr o pé no pedal, que se faz tarde.

Como podem calcular a partir das minhas partilhas e esfrangalhanços semanais, muitos quadros já passaram pelos olhinhos de peixe seco aqui da je. Muitos, vários, diversos, assim uma catrefada deles. Mas como este... esta musa têm que se lhe diga. Eu sei, eu sei (és a linda portuguesa com quem eu quero casa-aaaaaar *concentra-te Peixa*) que se usam padrões misturados e cores e mai-não-sei-quê, mas não deixo de ficar a indagar-me se a senhora está a fazer algum manifesto ao aquecimento global, usando um vestido de folhas ou escamas secas (olha a pachorra da alminha ali a coser aquilo tudo à mãozita. Se fosse eu, era coladito com cola quente e está a andar, óptimo, excelente, só não te abaniques muito ou te ponhas em correntes de ar, foge a sete pés de te armares em Marilyn Monroe, senão corres o risco de ficares com as miudezas a arejarem e a darem show, acenando a todos os que passam), advertendo à desflorestação e o quanto os peixinhos às vezes têem de se mandar para fora de água para respirar dada a qualidade das águas ou que poderão desfalecer afogados com o degelo e consequente aumento do nível dos mares ou então, se é um dragão que anda por ali a passear, a pôr-se à frente da objectiva, só para aparecer - deve ter muito tempo de folga, o bicho. Estou solidária. Já não há cavaleiros para terem demandas na caça aos dragões, eles têem de arranjar algum afazer. É que nem donzelas que se prezem de serem raptadas, se arranja hoje em dia. Olhem o coitado do bicho aturar as moças de hoje, a azucrinarem-lhe o miolinho, que não têem rede na caverna ou que a luz não lhes favorece nada as peles, ao posarem em uma foto, que iriam postar nas redes sociais, a dizerem ao mundo que estavam em agonia, a passarem mal, porque foram raptadas por um réptil das antiguidades, daqueles que já nem se usam e mal se vêem até nos museus? Uma chatice. Mais do que dor de cabeça, acho que o dragão as rifava logo e preferia antes estar só com as aranhas do que com malta desta, cheira-me - sem querer deixar de dar a devida atenção às riscas do casaco, que me recordam um bolo mil folhas muito mal amanhadito, cujo chocolate têm uma aplicação a roçar o manhosa. Se bem que, observando a volumetria da peça de vestuário, dava perfeitamente para a senhora enfeirar uns canapés dentro do casaco, para petiscar mais tarde. Ninguém daria conta - como é do conhecimento geral, raro é o evento a que uma pessoa vai e que não passa alguma larica, ter um snack ali à mão de semear, dava um jeitaço, que estar a socializar e a barriga roncar, que falta de nível - Porém, questiono severamente o sentido de moda daquela musa. Provavelmente deu-lhe a loucura, armando-se em rebelde, decidiu inovar. Amiga, cinge-te ao que sabes e que é a tua praia, que é inspirar as pessoas a pegarem no pincel está bem e deixa lá as modas para outros, dedica-te às tuas lides. Vá, faz-te produtiva. "Menos é mais", lá diz o chef Fogaça e olha que neste teu caso, menos, mas muito menos é efectivamente bastante mais. Aliás, a julgar por aquele chapéu de linhas aerodinâmicas com aquela pena toda entesada - que mais parece um espanador ou que têm capacidades mortíferas de espadeirar as moscas cada vez que a senhora mexer a cabeça ou de furar, inclusive, o olho a alguém - e pelo trabalho de ourives no aplique de todas aquelas escamas, podias era mesmo ir procurar emprego a um taxidermista, para fazeres empalamento dos animais. Olha que... safavas-te.

Tenho estado para aqui a dissertar, mas não julguem que o senhor que está ao lado, me passa ao lado! Que raio está ele a fazer? Sem dúvida com ar suspeito a olhar delicadamente, a ver se não dá barraca, para cima do chapéu da senhora. Às tantas, queria mesmo era ter um igual, pelo menos, a ele sim ficaria bem, a fazer pandam com a sua indumentária. O que pode ter acontecido, como os belos dos casais fazem com frequência quando vão a alguma festa, casamento ou baptizado, gostam de levar algo com uma cor em comum, seja ele de gravatinha a combinar com o vestido dela, sejam as cuecas a combinar com as meias do outro, este casal não foi excepção e lá está, a fitinha do chapéu da senhora a fazer conjunto com a calcinha do senhor. Ah pois é. Queriam não era? Mas não é para quem quer mas sim para quem pode! Já sabemos em quem podemos pôr as culpas dessa ideia maravilhosa, de os casais irem a fazer "match". - "Olá, estás sozinho? - Não não, estou com a minha namorada. - Ah é aquela ali com o vestido cor de burro quando foge e padrão à zebra disléxica, não é? - É sim, como adivinhaste?" Melhor do que uma aliança no dedo. Aliás, é um reforço de comprometimento, o pack aliança mais trapinhos de cores a condizer. Um mimo.

Num geral, constato que aquela parede de fundo sem dúvida que já levava uma pinturazita, está mesmo com toda a pinta de que houve infiltrações por causa das chuvas ou de algum cano roto, dando aso a que aquele amarelo deslavado se apoderasse do seu esplendor. Mas gostos são como os rabos, cada um têm o seu e aquela cor de amarelo coiso, ficou mesmo a combinar com o tom de pele dos senhores. É que mais não se podia pedir.

Posto isto, vou ali coser umas meias e já venho. É que está a ficar frescote e uma Peixa deste calibre, não se pode dar ao luxo de ficar de barbatanas com a batatinha de fora. Ainda enregelo! Por isso hoje ficamos por aqui, para a semana há mais rubrica para esfrangalhar a pintura de algum magnífico artista. Fiquem em tune e não percam!

Até para a semana!

Peixá Marie del Frite.

 

Ah, e aproveito para dizer que quem escolheu este quadro, fui eu.

 

* * *

Obs.: Sinto que o devo fazer pois amo arte do coração e respeito à brava todos os artistas: este texto é meramente com intuitos humorísticos, embora possa não ser apreciado por todos (é assim... temos pena). A arte é mesmo algo lindo e maravilhoso, que nos enriquece a alma nas suas variadas maneiras. O meu verdadeiro apreço aos artistas, qual seja o seu tipo de arte. Eu, incluída.

* * *

No desafio Arte e Inspiração, participam Ana D.Ana de DeusAna Mestrebii yue, Bruno EverdosaCélia, Charneca Em FlorCristina AveiroFátima BentoImsilvaJoão-Afonso MachadoJosé da XãLuísa De SousaMariaMaria AraújoMiaOlgaPeixe FritoSam ao LuarSetePartidas

 

largar posta no óleo:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.