Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ó da guarda, peixe frito!

Vai com arrozinho de tomate?

Desafio Caixa dos Lápis de Cor | #6 Laranja

24.02.21, Peixe Frito

21068153_w9jbd.jpeg

Existe quem se atreve - digo "atreve" porque quem sabe o Kraken que me habita, quando mandam pedrinhas para a minha poça a perturbar a santidade da minha pessoa, têm consciência que se está a habilitar a que lhe saia algo maravilhoso no sorteio da minha roda da sorte do mau génio. Daqueles brindes manhosos e que só servem para encher choiro... mas põe-se a jeito, depois querem milagres - de me gozar por eu ser muito virada para as cenaices naturais. Fama de que a minha casa parece uma potencial selva Amazónica, dada a minha tendência a ter carradas, resmas, paletes, meia dúzia de plantas, ervas aromáticas, chás, óleos, mézinhas e raios que me partam. Há uma alma em específico, que até adooora me perguntar que tenho eu no lume, no caldeirão, para o jantar. Gente que têm a mania que têm piada e que se habilita a que lhe saia a sorte grande e que lhe fique a faltar um talher no faqueiro que é a sua dentição pepsodent aparte, há coisas que fazem mesmo parte de nós e não são modismos só porque sim. Desde alevim que estou habituada a usar plantas em várias vertentes. Assim sendo, meia volta dá-me na telha alguma ideia luminosa e começo a revirar o tico e o teco, para qual planta ou cenaice, é a mais indicada para atingir o meu objectivo.

Não sei se a maioria sabe, mas a nossa dentição têm variações de cor natural: ora podem ser muito branquinhos como bem amarelos - pá... há quem tenha sarro nos dentes, porque nunca apresentou a escova de dentes aos ditos, okay? Pigmentação natural mas advinda dos restos mortais das refeições que têm degustado ao longo da vida, quiçá voltando a saborear algum pedaço do jantar romântico em 1357, revivendo memórias ao aceder ao compartimento dental da refeição que a sua avó fazia ao domingos para a família ou mesmo para se lembrar que temperos determinado prato leva, porque a memória também falha, não é verdade? E até dá um jeitaço, pois nem sempre se têm o caderno dos apontamentos das receitas à mão ou net no tijolo. Olhem que é tentador... Bem...! Saudosismos gastronómicos e dentes à moda de saco do Sport Billy aparte, há os menos afortunados, que por muito que escovem a placa... continuam amarelos, os animais. Gostava eu que a roupa mantivesse tão bem a mesma cor lavagem após lavagem, como o amarelo de alguns dentes alheios se agarra à vida, com unhas e literalmente, dentes - Tive uma fase da vida em que achava que as minhas chicletes tinham um ligeiro pigmento a amarelo. Pá, sei lá. Deviam ser as romelas naquele dia, mas a verdade é que mesmo que eles não estivessem, não há nada como metermos macacos na cabeça, que até vimos o que não existe. Não sendo a favor de químicos e etc, falei com o meu dentista e ele lá me deu umas dicas naturais - é um fixolas - Não satisfeita, recorri às plantas. Nada melhor para tratar as manchas do que o belo do açafrão-da-terra. Conhecem?

beneficios-da-curcuma.jpg

É só aquele rizoma que pode ser utilizado para tingir tecidos, dando uma bela cor amarelo mostarda, que se não nos pomos a pau, onde quer que ele seja utilizado, tinge, entranha, funde-se, integra-se, faz parte da circulação, faz uma fusão ao estilo Dragon Ball, usurpa a vossa identidade, casa, cão, gato, filhos, páiriquite como dizem os ingleses e soa mais fancy - não necessariamente por esta ordem - trabalho, ocupa o vosso lugar na mesa, usa a vossa identidade, manda vir pizzas com a conta em vosso nome e passa perfeitamente por um clone vosso - não vos quero assustar, mas o animal é bravo - e para tirar aquela cor, Deus nos ajude, Diabos o carreguem... nem um padre a benzer, venha o exorcista, chamem os bombeiros, a guarda civil, o pai, a mãe, o irmão mais velho, reguem mazé com gasolina e peguem fogo, que é mais prático de retirar a cor. Experimentem a utilizar no comer ou até para um sumo ou mézinha, e depois logo me dizem como elas mordem. Não usem um fato biohazard não... Uma vez fiquei com as unhas alaranjadas quase uma semana! E olhem que a título especial e porque as medidas de urgência assim o exigiam, cometi a loucura de lavar a loiça à mão e utilizando detergente, lavar as mãos com frequência, esfregando quase até ver o sangue circular a olho vivo nas veias e até, imagine-se, tomar banho todos os dias!! Deu a louca na gaja! Passei mal... Tanto banho e limpeza... Não me sentia eu! Faltava alguma coisa: cheiro, provavelmente. Agora imaginem a situação: eu queria branquear mais os dentes, então todos os dias de manhã, comia um pedaço de açafrão fresco. Nada como começar com algo produtivo pela manhã! Mastigava o animal bem mastigadinho e ia lavar os dentes. A vida dá-nos sinais... e eu devia ter percebido que o factor da minha escova de dentes estar amarelo-alaranjada já era um sinal dos tempos. Um dia estou no trabalho e uma colega a olhar fixamente para a minha boca. Okay, podia estar a pensar que tenho uma boca linda e sexy e eu não a criticava mas não era nada disso...

- Ó Peixa... mas tu tens a língua laranja??

- Erm... tenho??

- Sim, e não é pouco!! Que raio andas a comer??

- Só raiz de açafrão fresco... nada de especial - murmuro.

Efectivamente, há quem faça sorriso amarelo.... eu como tenho a mania de me armar ao cardo, andava a armar-me em sexy, com sorriso laranja. Mas os dentes estavam branquinhos...! - mas o resto... laranja. Quase tão mau como aqueles bronzes mega naturais, ao estilo solário.

img_828x523$2019_02_04_18_25_35_182652.jpg

Bronze tentador, não acham? É de uma pessoa passar em um laranjal e ver as laranjas a mandarem-se das ramas para o chão, só para serem colhidas por tal criatura charmosa.

 

E antes que me comecem a mandar bocas foleiras, "Ah e tal ó Peixa daltónica, o açafrão é amarelo dourado" e blá blá blá pardais ao ninho, ele é laranja sim, enquanto fresco e a cor fica predominantemente laranja, apenas sendo diluído é que esbate e fica amarelo mostarda ou ketchup ou molho de alho com coentros e pimenta. Como apenas o uso fresco, associo mais a laranja do que a côr de mostarda de Dijon. E olhem que nós somos tu cá, tu lá! Sei do que falo. Infelizmente, por experiência cromática própria.

Este post já vai com três metros de comprido. Ainda contava aqui a minha saga com eu comer laranjas ou quando ao meu redor comem laranjas e eu sou metralhada pelo sumo ou pelo óleo da casca - seja como fôr, têm sempre de vir passar a mão no pêlo ou ir ao olho da Peixa - mas fica para outra oportunidade. Até porque já devem estar com os zóios tortos e a espumar, por este post nunca mais acabar - até rimou, que lindooooo

Ah! E era de esperar que a fotografia tivesse algo a ver com o post, né?? #sóquenão!

 

Neste desafio participo eu, a Concha, A 3ª Face, a Maria Araújo, a Fátima Bento, a Imsilva, a Luísa De Sousa, a Maria, a Ana D., a Célia, a Charneca Em Flor,  a Gorduchita, a Miss Lollipop, a Ana Mestre a Ana de Deus, a Cristina Aveiro, a bii yue, o José da Xã e o João-Afonso Machado.

Todas as quartas feiras e durante 12 semanas publicaremos um texto novo inspirado nas cores dos lápis da caixa que dá nome ao desafio. Acompanha-nos nos blogues de cada um ou através da tag "Desafio Caixa de lápis de Cor". Ou então, junta-te a nós ;)

24 comentários

largar posta na fritura

Pág. 1/2