Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ó da guarda, peixe frito!

Vai com arrozinho de tomate?

Mais um caso para os ficheiros secretos.

29.04.19, Peixe Frito

como_criar_pavao.jpg

Há dias de costoletas de porco à salsicheiro, dias de frango assado e até de peixe grelhado, mas não hoje! Ao que parece, hoje é dia de pavão na rua, a passarinhar. O malandro, que gosta de viver a vida no limite e andar na pura da loucura a assustar os patos e as galinhas, anda por aí a cirandar. Só se ouve de fundo, um cantar profundo e, para ser honesta, é algo que se torna meio bizarro pois ora digam-me lá, faz sentido aparecer um peru armado em drag queen, em um meio urbano, onde não há parques naturais nem nada que se pareça - pá, a serra é aqui ao lado, mas na serra não há pavões... que eu saiba! 

Sempre que o oiço, dúvidas existênciais me assolam a alma:

Será mesmo um pavão?

É o Wile E. Coyote que anda aí a ver se caça o Bip Bip?

Será que hoje se vai manter solinho no céu ou vai chover ao fim do dia?

Que é que hoje vou fazer para o jantar?

Preciso de ir às compras, o que é que me falta na lista?

Mas porque raio tenho caracóis pequenos a passearem pelo peixmóbil?

Será que não há um único par de collants de vidro que eu tenha, que não tenha o raio de uma malha?

Questões... muitas questões que permanecem sem resposta e que fazem que, à noite quando me deito para dormir, adormeça rapidamente que nem uma porca no batatal, só acordando de manhã.

Vida dura. Muito dura. A influência que um simples pavão, pode ter na vida de uma alminha como eu. Nunca substimem o poder de um pavão, é o que vos digo.

6 comentários

largar posta na fritura