Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ó da guarda, peixe frito!

Vai com arrozinho de tomate?

O pior, é que acabo por ser eu a verbalizar estes "encanamentos" alheios!

04.04.19, Peixe Frito

Eu até poderia dizer que a pessoa estava a ser educada, mas percebi que estava era mesmo a ser ingénua, com o pensamento que me estava a partilhar. Ora, e que se passou? Passo a relatar. Puxem as cadeiras, de umas pipocas e apreciem.

Ida ao cinema com amigo. Sala vazia e poucos gatos pingados apareceram a aquela sessão. Aparte: realmente, quantidade não quer dizer nada e não venho para aqui com a situação de "poucos mas bons", pelo contrário. O casal de jovens que se encontrava ao meu lado, principalmente a mocita, parecia uma trituradora de pipocas. Não me refiro à quantidade - mãos cheias literalmente, parecia o monstro das bolachas versão pipoqueira - de pipocas que observei que ela degustava com toda a etiqueta, que algumas até me caíam em cima - porreira, partilhava comigo - mas sim ao barulho dela a mastigar. Além de ouvir o rapaz, do lado de lá, a explicar-lhe algumas das situações que apareciam no filme - foi filme da Marvel. Quem é nerd neste aspecto como eu e o meu amigo e aparentemente o rapaz, meia volta explica certas entrelinhas que se dão nos filmes, que apenas um fã Marvel (super heróis no geral) apanha - tolerei o barulho de mastigar galhos secos e morteiros, baleamentos pipocais, da rapariga.

Ora bem. Logo por sorte, já com tantas benesses do casal ao meu lado a me benzerem, ainda o perfume a baunilha da miúda, me começou a atacar a alergia. Era espirrar, lacrimejar, assoar. Um horror para quem quer estar a ver um filme. Ainda assim, lá assisti ao filme tranquilamente.

A questão foi que... meia volta... me cheirava a pipocas. E quando falo de pipocas, não me refiro às verdadeiras pipocas, de milho inflado, com açúcar ou sal ou caramelo ou simples e maravilhosas, que exalam um aroma maravilhoso. Falo da expressão que uso, quando me cheira a gases expelidos pelas vias traseiras de uma pessoa, de onde o sol não brilha. Nada mais agradável, estar no cinema e levar com aqueles tipos de ambientadores.

Quando acaba o filme, estava a falar com o meu amigo e tal, fazermos resumos e constatações do filme que estivemos a ver. Eu comentei que fiquei com alergia do perfume, me vi aflita só a assoar e ele diz-me, com aquele ar de sei lá quê, a roçar o meio lamentar, que algumas cadeiras deviam cheirar mal, porque meia volta, sentia mau cheiro e então achava que eram das cadeiras mal limpas ou chão da sala do cinema.

Perante aquela observação, não tive outra opção senão esclarecer aquela alma...

- Cadeiras cheirarem mal? Era mazera alguém a expelir gases! Quais cadeiras.

E ele ficou a pensar e fez ar meio enojado. E eu também fiquei a pensar. Como é que um gajo pensa que são as cadeiras que cheiram mal e não que alguém se estava a bufar durante o filme e que eu, gaja, é que topei a situação.

Confesso que pensei que ele ainda fosse gozar com o cheiro ou dizer upppss fui eu Peixa que me caguei, sorry, mas não. As cadeiras?? Ó senhores... Já ouvi lhes chamarem muita coisa, agora cadeiras mal lavadas, é estreia.

E admiro-me, como é que as almas do lado trituraram tanta pipoca, com aquele ambientador no ar, meia volta, a dar a sua graça.

É que era com cada snif, que até dava vontade de ir chamar um padre para vir exorcizar a criatura ou benzer, para lhe salvar a alma que o corpo já era faz tempo, já estava podre e em estado de decomposição bem grave.

10 comentários

largar posta na fritura