Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ó da guarda, peixe frito!

Vai com arrozinho de tomate?

Os sons de fundo do consultório são tão inspiradores - tipo musa grega - que até me fazem pensar se a comunicação está a ser bem perceptível para não haver confusões.

18.09.18, Peixe Frito

Eu sou apologista, que todos os consultórios dos dentistas tivessem de fornecer ou um bloco de desenho com lápis ou cartões com dizeres pré definidos "SIM" "NÃO" "TALVEZ" "COISO" "DAQUI A NADA SOU EU QUE LHE TRATO DOS DENTES" (quase tipo esquemas de sim e não) e do género. Ora e porquê? Pois então, uma pessoa estar ali esparramada na cadeira do consultório, boca aberta quase a ver-se o estômago e o dentista nos fazer perguntas e uma pessoa não poder responder, se limitar a fazer gestos com as mãos ou a grunhir ou códigos com piscares de olhos, não dá lá muito jeitinho.

- Abre a boca. Eisshhh este dente precisa de ser mexido - saca da broca e põe a funcionar. Começa o dente a ser mexido - está a doer?

E está ali uma pessoa de boca aberta, como vai responder? Nesse caso, as lágrimas por si só são um indicador de possível dor, mas ainda assim, uma pessoa devia de ter os tais cartões ou bloquinho, para escrever ou desenhar, que iria facilitar imenso a comunicação entre paciente-de-boca-escancarada e estomatologista-com-broca-a-funcionar-e-a-fazer-barulho-de-filme-de-terror. Não acham?

É que não vá o médico interpretar mal o sinal e aí é que é a morte do artista.

B_rChpoUIAAsEdw.jpg

4 comentários

largar posta na fritura