Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ó da guarda, peixe frito!

Vai com arrozinho de tomate?

Que frustração!

11.06.18, Peixe Frito

12.jpg 

Quando se passa uma tarde com o raio de um fio de manga enfiado no meio dos dentes e não há nada que se valha para o tirar - nem sequer o truque de uma pessoa amiga, que me dizia que utilizava um cabelo como fio dental em caso de emergência. Resta esperar que os dentes caiam para o dito sair. É nestas alturas que compreendo o porquê de algumas criaturas, deixarem crescer a unha do mindinho.

Ainda se tivesse uma baliza - sou um pouco propícia a ficar com sementes, pedaços de côco ralado, de canela em pó, de oreos, orégãos grudadinhos nas gengivas e entre os dentes, ironicamente, a típica alface nem vê-la - mas nem é o caso. Os meus dentes e gengivas são autênticos imãns de restos de comer. Certos casos, mesmo após escovar os dentes, há pedaços de chicha que não querem desgrudar nem à lei da bala.

Devia de haver um sindicato dos dentes, para estas situações. Quem me indemniza por eu andar a fazer figurinhas com uma semente de papoila cravada entre os dentes da frente? Quer dizer... cada vez que uma pessoa se ri, parece que está ali uma cratera. E ainda por cima, à socapa! Que rara é a pessoa que têm a amabilidade de dizer a outra: pssst hey tens uma cenóide nos dentes!!

O mais vulgar que acontece nessas situações e sinal de alarme que algo se passa na nossa maravilhosa cremalheira, é quando nos rimos ou falamos e a pessoa com quem estamos a conversar, subtilmente e de surra, passa a língua nos dentes, com a boca fechada (sim pá, nada de técnicas de sedução à descarada), a tentar que nós não notemos. Mas sim minha gente, quem têm algo no meio dos serrotes, nota esse disfarçar e subtileza! Mais valia dizerem logo... digo eu, e poupávamos figurinhas tristes alheias!

Raios partam mais à comida que dá luta... Possas. Nem depois de trincada!

10 comentários

largar posta na fritura