Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ó da guarda, peixe frito!

Vai com arrozinho de tomate?

Aiii é amooor, ai ai amooooor... É amor!

01.03.19, Peixe Frito
Alguém cantar mal mas mal... porém, cantava a embalar a sua filhota - a escolha da música era mega hiper duvidosa, ainda assim, era essa que lhe cantava. Gostos! Digo-lhe eu: - Possa, assim a criança até finge que adormece só para não te ouvir cantar. A verdade, é que ela adormecia na mesma. Concluo que amor entre pais e filhos é mesmo incondicional e por muito que o progenitor tenha voz de cana rachada, faça estilhaçar vidros e espante os animais num raio de uns bons (...)

E é assim que se contribui para a educação de uma criança - ou não.

19.02.19, Peixe Frito
Já disse "n" vezes, que a prole da família, é tramada. Eu costumo dizer que já não me bastava ter aturado o paizinho das criaturas, como que ainda tenho de roer com o alevim e com a cú rabinho pequeno. Este último ser, consegue ser o upgrade do irmão e do pai, para mal dos pecados de TODA a gente. O seu sentido de humor e palhaçada é claramente herdado da família, agora o mau génio, não faço ideia onde ela o foi buscar, mas com toda a certeza, ao lado da famíla da mãezinha (...)

Esta ainda não me tinha acontecido.

18.02.19, Peixe Frito
Ouve-se lá nos confins do aquário mor uma conversa entre avô e neta: - Vai pedir à tia Peixa, que ela ajuda-te. Passinhos pequenos e rápidos, em jeito de corridinha e oiço uma vozinha de quem me vêm cravar algo, versão gato-das-botas, mas vocalizado: - Ó tia Peixaaaa... - olho para ela e ela de beiço estendido e olhinhos de Bambi - tiras estas coisas da minha plasticina? A mirar a plasticina, na minha mão, vejo algo que parecem pedacinhos de ramos lá metidos. - A (...)

É sempre uma festa e uma risota, nada paga as reacções de uma criança a abrir as prendas no Natal.

03.01.19, Peixe Frito
A abrir as prendas na consoada natalícia, mega em pulgas, rasgando o papel de embrulho freneticamente e vendo o que recebeu, exclama a criatura pequena: - Ohhh era mesmo isto que eu queria!! - e agarra o brinquedo, feliz da vida. Segunda prenda. Novo pulguedo, excitação a ver que é que o Pai Natal lhe trouxe. Rasga o papel, com ajuda dos pais e... eis que mandando um grito de surpresa, se ouve: - Heyyy, eu não pedi isto ao Pai Natal! Na carta que eu mandei ao Pai Natal, não pedi isto!!

Se calhar um centro de acolhimento ainda era a melhor opção.

17.11.18, Peixe Frito
E quando uma criança está a limpar o salão, ou em bom tuga, tirar macaquinhos-do-nariz e, bem educada que é invés de os ensinar a voar, nos estende o dedo com o macaco lá enrolado e fica à espera que nós o agarremos e mandemos fora? Com a quantidade dos que alberguei hoje, dada a fuga que se deu desenfreada dos macaquinhos do nariz da cú rabinho pequeno, das duas uma ou abro um centro solidário de macacos abandonados ou então vou abrir uma empresa de cola orgânica, dado que (...)

Nós às vezes é que os tomamos por parvos e inocentes, mas pela minha experiência, isso somos nós.

12.11.18, Peixe Frito
Com apenas três anos - e semi frescos - no dia da consoada, observa a cú rabinho pequeno á família: - Mas porque é que há prendas aqui nos avós... e nos outros avós... e em casa? - para ela, o Pai Natal é que entregava as prendas e, supostamente todas no mesmo sítio. Nada mais lógico, ou não é verdade? - Ah, porque o Pai Natal vai deixando as prendinhas, nas casas, para ajudar a entregar a tempo. Já viste, tantos meninos, o Pai Natal fica aflito se entregar tudo de uma vez, (...)

Há sempre novas maneiras de me encavacar, claro.

08.11.18, Peixe Frito
Naquela altura do mês, em que as senhoras expelem secreções pelas zonas baixas, estava eu na casa-de-banho, e entra de rompante a cú rabinho pequeno: - Tia Peixa, que é isso na tua cueca? Busted. E agora? - Olha... quer dizer que posso ter bebés mas que não tenho nenhum na barriga. Quando tu fores mais crescida, contigo vai acontecer o mesmo. - Também quero uma coisa dessas. - O quê? Um penso? - Sim... - Vais ter tempo para estas coisas, fica descansada. Desfruta quando (...)

Ando sempre de rédea curta.

23.10.18, Peixe Frito
Depois da minha ausência durante o fim-de-semana, onde usualmente pico ponto no aquário mor, conjuntamente com o resto do cardume, diz-me a alevim mais pequena assim que me põe a pestana em cima: - Ó tia Peixa... Mas porque é que te apeteceu ficar de pijama em casa? - Tu também não gostas de ficar de pijama em casa? - Não - responde abanando-me a cabeça negativamente - eu só fico de pijama em casa, de manhã (ao fim-de-semana). Depois visto-me.   Antes de tudo, sim, há uma (...)

Não há dúvida que criança pequena é um deleite nos seus raciocínios.

18.10.18, Peixe Frito
 A observar as árvores no quintal, nas imediações de onde as formigas são umas porcas: - Já se notam as folhas amarelas e murchas nas árvores. Até parecem tristes, as árvores. Não tarda cai a folha. Prontamente, mete-se na conversa a cú rabinho pequeno: - Onde tia Peixa? Onde está a árvore triste? - É aquela ali vês - apontando em frente - depois desta árvore que está (...)

Coisas destas, podem-me oferecer todos os dias que eu aceito de braços abertos.

15.10.18, Peixe Frito
Pois é, isto aconteceu comigo há dias. Ensinam-nos desde tenra idade, a não aceitar nada de estranhos, mas nessa altura é isso que somos, crianças versus um adulto. E quando é um adulto versus uma criança?? Deixa de se ter o receio de nos comprarem com doces para o que seja ou que os mesmo contenham droga e outras substâncias esquisitóides frente a poderem estar cheios de baba e ranhoca, a terem andado por todo o lado - até na guerra - já se sabe como são as crianças e os (...)

Só me calham destas na rifa.

12.10.18, Peixe Frito
- Ó tia Peixa... «ui que aí vêm coisa», pensei logo. - ...porque é que os aviões são tão pequeninos lá em cima (no céu) e cá embaixo são tão grandes?   Faz parte da praxe, os meus sobrinhos aquando pequenos, me fazerem este tipo de perguntas.  Qualquer dia pergunta-me a teoria da evolução ou a origem do universo.

É o que digo: Quem sai aos seus não é de Genébra.

17.09.18, Peixe Frito
Está uma criatura tenrinha, na rua a observar um saco do lixo colocado no jardim, que as formigas o descobriram em três tempos: - Ó tia Peixa, já viste o saco do lixo cheio de formigas? Assim muitas, muitas, assim muitas muitas - e estica as duas mãos para cima, de dedos espetados, como quem quer dizer que são mesmo muitas formigas. (Silêncio) - Ó tia Peixa, mas porque é que as formigas estão no saco do lixo?? - Então... elas comem o que está no lixo. Pausa. Silêncio. (...)

Nas coisas em que eu me meto!

18.07.18, Peixe Frito
  O criancedo da família, descobriu a magia das canetas e agora, meia volta e de surra, vai de riscar qualquer coisita. O problema, é quando a imaginação fala mais alto: - Ai meu Deus cú rabinho pequeno!! Mas tu estás toda riscada de caneta!! - exclama a mãe do ser, ao observar a sua tenrinha filha, com riscos num braço e numa perna. - São tatuagens mamã. Sabes, eu gosto de tatuagens. A mãe pega (...)

Faz o que eu digo, não faças o que eu faço, sempre ouvi dizer.

09.07.18, Peixe Frito
Num festival infantil, se dar uma sessão de "punhada" entre duas criaturas com idade de já ter mais do que juízo. De tal forma, que a polícia foi intervir. Ó meus amigos... Nem consideração têm pelos pikininos, que estavam ali a curtir o seu festival, a ver os bonecos a cantarem e dançarem e vocês, a engalfinharem-se que nem gente grande.  Honestamente, só me deu vontade de rir, com o ridículo da situação e a imaginar as manchetes em jornais.

Só maus exemplos!

06.07.18, Peixe Frito
- Cú Rabinho pequeno, desenhaste na parede!!! As paredes não são para se desenhar, já te tinha avisado!! - Mas mamã... A Rapunzel também desenha nas paredes. Pois é, pois é... contra factos, não há argumentos. Eu já tinha avisado antes que os filmes infantis eram mau exemplo! Desde a Branca de Neve nos querer fazer crer que os animaizinhos nos ajudam na lida da casa, limpando e lavando a loiça, varrendo o chão e passando a roupa - nunca nenhum se ofereceu para fazer isso (...)

Também me toca a mim, levar um "ralhete" de tempos a tempos.

29.06.18, Peixe Frito
Ser levada à força de mão dada por uma criatura de meio metro de altura, até uma divisão da casa, e ela me dizer assim: - Anda cá, que temos de ter uma conversa as duas. E eu limitei-me a olhar surpreendida com a cena, de olhos abertos e sobrancelhas arqueadas, cá de cima do meu metro e setenta e tal para aquele ser pequenino de pé à minha frente, de braços cruzados e a apontar-me o dedinho piquenino, a dar-me um ralhete de quando é que eu fazia uma determinada coisa - (...)

Criança sofre.

22.05.18, Peixe Frito
Este pai está-se a perder, com uma carreira de cabeleireiro com todo o sucesso possível e imaginário, sem partilhar o seu dom criativo com o resto das cabeças alheias de todo o mundo. Haveria de sair cada penteado, de bradar aos céus. Tanto talento desperdiçado. Até dá dó - além de que iria estar a ajudar o ambiente e a diminuir a pegada ecológica, ao pentear e reutilizar materiais. Só, mas só vantagens. Só a cara de orgulho da menina. Transborda ansiedade para andar na (...)