Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ó da guarda, peixe frito!

Vai com arrozinho de tomate?

E é assim que se contribui para a educação de uma criança - ou não.

19.02.19, Peixe Frito
Já disse "n" vezes, que a prole da família, é tramada. Eu costumo dizer que já não me bastava ter aturado o paizinho das criaturas, como que ainda tenho de roer com o alevim e com a cú rabinho pequeno. Este último ser, consegue ser o upgrade do irmão e do pai, para mal dos pecados de TODA a gente. O seu sentido de humor e palhaçada é claramente herdado da família, agora o mau génio, não faço ideia onde ela o foi buscar, mas com toda a certeza, ao lado da famíla da mãezinha (...)

Esta ainda não me tinha acontecido.

18.02.19, Peixe Frito
Ouve-se lá nos confins do aquário mor uma conversa entre avô e neta: - Vai pedir à tia Peixa, que ela ajuda-te. Passinhos pequenos e rápidos, em jeito de corridinha e oiço uma vozinha de quem me vêm cravar algo, versão gato-das-botas, mas vocalizado: - Ó tia Peixaaaa... - olho para ela e ela de beiço estendido e olhinhos de Bambi - tiras estas coisas da minha plasticina? A mirar a plasticina, na minha mão, vejo algo que parecem pedacinhos de ramos lá metidos. - A (...)

Se o torcesse, escorria óleo.

15.01.19, Peixe Frito
Há experiências que eu volto a repetir, mesmo por esquecimento meu. Há uns tempos comprei um tipo de óleo para aplicar no cabelo, a fim de o amaciar e que não o torne peganhento e oleoso. Hoje... tive um deslize. E tudo porque segui um conselho de moda da cú rabinho pequeno: Ao meu colo: - Tia Peixa... tu ficavas linda se pusesses o cabelo assim - diz ela, a puxar-me o cabelo para cima, destapando a testa toda. - Pensei que era sempre linda, afinal. Silêncio. - Tia Peixa, ficavas ai (...)

É sempre uma festa e uma risota, nada paga as reacções de uma criança a abrir as prendas no Natal.

03.01.19, Peixe Frito
A abrir as prendas na consoada natalícia, mega em pulgas, rasgando o papel de embrulho freneticamente e vendo o que recebeu, exclama a criatura pequena: - Ohhh era mesmo isto que eu queria!! - e agarra o brinquedo, feliz da vida. Segunda prenda. Novo pulguedo, excitação a ver que é que o Pai Natal lhe trouxe. Rasga o papel, com ajuda dos pais e... eis que mandando um grito de surpresa, se ouve: - Heyyy, eu não pedi isto ao Pai Natal! Na carta que eu mandei ao Pai Natal, não pedi isto!!

Cá para mim, têm é uma sociedade com os ginásios, cheira-me.

19.12.18, Peixe Frito
- Cú Rabinho pequeno, onde está a avó? - A avó? A avó está no ferro. Há quem dê no ferro; A mãe Peixa dá é com o ferro... na roupa. Ao menos que isso lhe tonificasse os músculos, mas ao contrário do que seria de se esperar quando se está no ferro, dá mesmo é dor de costas. De facto, era bom que se ficasse em forma a fazer as tarefas de casa, não era? A limpar o pó, aspirar, lavar chão, loiça, estender roupa, fazer a cama. Ironicamente, deixa uma pessoa de rastos mas (...)

Sem dúvida, sou vítima de bullying...

20.11.18, Peixe Frito
...e por parte de uma criança de três anos. - Tia Peixa, cortaste o cabelo? Ah ah - ri-se o fedelho desmesuradamente, a apontar-me o pequeno dedinho, tal e qual o Nelson dos Simpsons. -  Das duas três, ou se esqueceu que ela cortou o cabelo comigo precisamente no mesmo dia ou de facto, naquele dia eu estava mesmo com ar de ovelha tresloucada, com a lã ao vento, graciosamente toda eriçada. No que pensei, ao ver aquela pirralha a apontar-me o dedo e a rir assim? «Não tens mesmo nada (...)

Se calhar um centro de acolhimento ainda era a melhor opção.

17.11.18, Peixe Frito
E quando uma criança está a limpar o salão, ou em bom tuga, tirar macaquinhos-do-nariz e, bem educada que é invés de os ensinar a voar, nos estende o dedo com o macaco lá enrolado e fica à espera que nós o agarremos e mandemos fora? Com a quantidade dos que alberguei hoje, dada a fuga que se deu desenfreada dos macaquinhos do nariz da cú rabinho pequeno, das duas uma ou abro um centro solidário de macacos abandonados ou então vou abrir uma empresa de cola orgânica, dado que (...)

Nós às vezes é que os tomamos por parvos e inocentes, mas pela minha experiência, isso somos nós.

12.11.18, Peixe Frito
Com apenas três anos - e semi frescos - no dia da consoada, observa a cú rabinho pequeno á família: - Mas porque é que há prendas aqui nos avós... e nos outros avós... e em casa? - para ela, o Pai Natal é que entregava as prendas e, supostamente todas no mesmo sítio. Nada mais lógico, ou não é verdade? - Ah, porque o Pai Natal vai deixando as prendinhas, nas casas, para ajudar a entregar a tempo. Já viste, tantos meninos, o Pai Natal fica aflito se entregar tudo de uma vez, (...)

Há sempre novas maneiras de me encavacar, claro.

08.11.18, Peixe Frito
Naquela altura do mês, em que as senhoras expelem secreções pelas zonas baixas, estava eu na casa-de-banho, e entra de rompante a cú rabinho pequeno: - Tia Peixa, que é isso na tua cueca? Busted. E agora? - Olha... quer dizer que posso ter bebés mas que não tenho nenhum na barriga. Quando tu fores mais crescida, contigo vai acontecer o mesmo. - Também quero uma coisa dessas. - O quê? Um penso? - Sim... - Vais ter tempo para estas coisas, fica descansada. Desfruta quando (...)

Não há nada como estar a crescer e descobrir o mundo que nos rodeia.

05.11.18, Peixe Frito
Dediquei-me ligeiramente à jardináge este fim-de-semana, acompanhada pela cú rabinho pequeno. Entre eu lhe explicar para não puxar os frutos das roseiras, que ainda se picava e porque assim magoava as plantas, começaram a surgir as perguntas... pois está claro. - Ó tia Peixa, e como é que as plantinhas conseguem buber se não têm boca?? E como lhe explicar isto, de modo que fizesse sentido? Lá comparei as raízes das plantas a esponjas, que absorviam a água que se lhe punha na terra.

Ando sempre de rédea curta.

23.10.18, Peixe Frito
Depois da minha ausência durante o fim-de-semana, onde usualmente pico ponto no aquário mor, conjuntamente com o resto do cardume, diz-me a alevim mais pequena assim que me põe a pestana em cima: - Ó tia Peixa... Mas porque é que te apeteceu ficar de pijama em casa? - Tu também não gostas de ficar de pijama em casa? - Não - responde abanando-me a cabeça negativamente - eu só fico de pijama em casa, de manhã (ao fim-de-semana). Depois visto-me.   Antes de tudo, sim, há uma (...)

Não há dúvida que criança pequena é um deleite nos seus raciocínios.

18.10.18, Peixe Frito
 A observar as árvores no quintal, nas imediações de onde as formigas são umas porcas: - Já se notam as folhas amarelas e murchas nas árvores. Até parecem tristes, as árvores. Não tarda cai a folha. Prontamente, mete-se na conversa a cú rabinho pequeno: - Onde tia Peixa? Onde está a árvore triste? - É aquela ali vês - apontando em frente - depois desta árvore que está (...)

Só me calham destas na rifa.

12.10.18, Peixe Frito
- Ó tia Peixa... «ui que aí vêm coisa», pensei logo. - ...porque é que os aviões são tão pequeninos lá em cima (no céu) e cá embaixo são tão grandes?   Faz parte da praxe, os meus sobrinhos aquando pequenos, me fazerem este tipo de perguntas.  Qualquer dia pergunta-me a teoria da evolução ou a origem do universo.

É o que digo: Quem sai aos seus não é de Genébra.

17.09.18, Peixe Frito
Está uma criatura tenrinha, na rua a observar um saco do lixo colocado no jardim, que as formigas o descobriram em três tempos: - Ó tia Peixa, já viste o saco do lixo cheio de formigas? Assim muitas, muitas, assim muitas muitas - e estica as duas mãos para cima, de dedos espetados, como quem quer dizer que são mesmo muitas formigas. (Silêncio) - Ó tia Peixa, mas porque é que as formigas estão no saco do lixo?? - Então... elas comem o que está no lixo. Pausa. Silêncio. (...)

Só maus exemplos!

06.07.18, Peixe Frito
- Cú Rabinho pequeno, desenhaste na parede!!! As paredes não são para se desenhar, já te tinha avisado!! - Mas mamã... A Rapunzel também desenha nas paredes. Pois é, pois é... contra factos, não há argumentos. Eu já tinha avisado antes que os filmes infantis eram mau exemplo! Desde a Branca de Neve nos querer fazer crer que os animaizinhos nos ajudam na lida da casa, limpando e lavando a loiça, varrendo o chão e passando a roupa - nunca nenhum se ofereceu para fazer isso (...)

Também me toca a mim, levar um "ralhete" de tempos a tempos.

29.06.18, Peixe Frito
Ser levada à força de mão dada por uma criatura de meio metro de altura, até uma divisão da casa, e ela me dizer assim: - Anda cá, que temos de ter uma conversa as duas. E eu limitei-me a olhar surpreendida com a cena, de olhos abertos e sobrancelhas arqueadas, cá de cima do meu metro e setenta e tal para aquele ser pequenino de pé à minha frente, de braços cruzados e a apontar-me o dedinho piquenino, a dar-me um ralhete de quando é que eu fazia uma determinada coisa - (...)